Desacelere: respeite seus limites

Poderia desejar não lembrar que essa última semana, referente ao trabalho, existiu. No entanto, ja com a cabeça fria e coração sem taquicardia, consigo analisar melhor os fatos e chegar na seguinte consideração: desacelere aneleh, respeite seus limites. Ja basta trabalhar 10 horas por dia, ter milhares de funções a exercer dentro do meu cotidiano, ainda ter jogo de cintura com o imprevisível, que é previsível sempre contar com ele. Chegar num ponto de stress a beira de um surto, a beira de uma licenca médica. Não vale a pena, o meu trabalho nao é visto como fim, e sim meio, ponte, para uma vida que eu quero ter, que vai me proporcionar seja profissional ou pessoalmente.

Respeitar os meus limites é fundamental pra minha saúde, para o meu rendimento, para a minha qualidade de vida, enfim, para tudo que isso precisa para conseguir ou conquistar  outras coisas…

 

 

Em fase de reclusão social

Com preguiça para os conhecidos, atenção desviada para os desconhedos. Para os conhecidos, em estado de espera para que eu volte a ser um ser social.

Cansada.

O beijo da Vampira

Depois de 12 horas de sono, com o coração despedaçado, veio a  minha mente a reflexão e associação dos meus fracassos amorosos com a Vampira do X-men. Esta, mutante e parte do grupo x-men, não poderia beijar nenhum homem por quem se apaixonasse (e por isso, buscava não chegar a esse ponto), pois matava-o. O beijo fazia com que sugasse toda a sua energia vital, vindo a falecer.

NO meu caso, o meu beijo mata qq possibilidade de relacionamento. Enquanto está no encantamento, no flerte, no xaveco, está as mil maravilhas, mas passamos para a etapa seguinte, acaba.

Por isso, que eu como a Vampira, busco não deixar com que relacionamentos e situações em que me fazem perder o chão cheguem a acontecer, pois parece que nunca vou me surpreender com o seu fim.

Chego a preferir, por falta de opção, relacionamentos superficiais e às vezes artificiais, pois ja sei ate aonde vai, qual a frequencia q vai ser, sem me sentir pressionada e nem mesmo querer mais do que aquilo que já vai ser.

As vezes me pego conformada com a situação acima, outras torço para que eu me surpreenda com o fim, no fundo prefiro isso, mas escolho viver na superficialidade, assim evito 12 horas de sono e coração partido.